quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Classificados do JN




publicado por João Lopes às 15:57link do post Comentar

2 comentários:

De Paulo Ferreira a 26 de Novembro de 2008 às 16:04
Pobres militantes do CDS-PP, mereciam bem melhor, já tiveram muito melhor, agora resta comer gato por lebre, cada vez em menor quantidade,tarde e a más horas.....triste sina.
responder a comentário discussão

De Militante triste a 26 de Novembro de 2008 às 16:19

Paulo, Não se espante mas se tencionar apresentar uma proposta de orientação política, no Congresso, veja o que diz o regulamento: "As POPES terão de ser entregues à CODC até às 24 horas do dia 7 de Janeiro de2009, em suporte informático, em condições de poderem ser imediatamente editadase publicitadas no site do Partido".Quanto à candidatura à Presidência e ao documento que define a estratégia política para os próximos tempos - o pilar da candidatura, as ideias que o partido defende, enfim, a base da estratégia - o regulamento das directas é omisso quanto à edição e publicação.Mas já podemos aditar ao regulamento: "Não será publicado nos 4 dias seguintes" :)
Com a devida vénia Câmara de Comuns

PSD-MADEIRA chama "chulo da sociedade e "fascista " ao PCP
















E agora? Como é? O presidente da Assembleia Legislativa da Madeira só fala de respeito e dignidade quando são os deputados da oposição a se comportar mal, no entanto, sempre que o mau comportamento e a vergonha vem dos deputados do PSD-M, como acontece quase sempre, o presidente Miguel Mendonça curva-se até ao chão e nada faz com medo.

Hoje, segundo me contaram, o presidente do grupo parlamentar do PSD-M insultou um deputado da oposição enquanto discursava. Chamou-o de "chulo da sociedade" e "fascista".

Se fosse o deputado do PND a ter este comportamento, o presidente da Assembleia, Miguel Mendonça, chorava com a ofensa e mandava chamar a polícia, mas como a atitude vergonhosa vem do seu chefe nem pia.

Com da devida vénia: urbanidades da Madeira

Jaime Ramos e a (a) normalidade democratica














A TVI passou o que a RTP Madeira recusou passar: o elemento comum a toda a anormalidade democrática voltou a fazer das suas: chamou chulo e fascista a Leonel Nunes. Quem não está habituado estranha!
Deve ser por estas coisas que LFM impede o parlamento on-line.

Com a devida vénia Apontamentos sem nome (Carlos Pereira)

terça-feira, 25 de novembro de 2008

Partido da Terra é "uma barriga de aluguer" do PPD/PSD - Madeira












































José Manuel Coelho, munido de cópia do Jornal Oficial da Região, revelou à comunicação social que nos apoios concedidos até 31 de Dezembro de 1998, o então deputado pelo PS-M e agora dirigente do MPT-M, João Isidoro Gonçalves, recebeu 100.000 euros (na altura 20 mil contos) do Governo Regional. "Nós não falamos de cor, o JORAM publica o nome do deputado que criou o MPT-M como uma barriga de aluguer para travar o crescimento do PS-M" ao serviço de Jaime Ramos e do PSD-M, considerou.Esta situação já foi denunciada pelo deputado Coelho razão que levou João Isidoro a anunciar que vai accionar um processo crime contra o parlamentar do PND-M.

Fonte: Lusa

Recomenda-se uma Leitura

ORAM 2009: um verdadeiro embuste!
















...um gov
erno, como o do PSD-M, que é laxista, gastador e sem escrúpulos, permitindo beneficiar um certo grupo de interesses

Estou certo de que aqueles que acreditam na bondade da proposta de Orçamento da Região para 2009 (ORAM 2009) estão imbuídos de um espírito de crença e fé. Na verdade, a fé é uma firme convicção de que algo seja verdade, sem nenhuma prova de que seja, mesmo, verdade, isto é, não depende de demonstração dos factos. Ora, se isso se compreende no plano metafísico, no plano da Economia, a fé sem demonstração é má conselheira.

Ainda por cima, para consolidar este exercício burlesco, o Governo Regional do PSD está empenhado em que este orçamento passe despercebido, porque sabe - e sabe que nós sabemos que ele sabe, como dizia a Outra - e sabe muito bem o verdadeiro embuste que tem em mãos. Sabe a menos valia que está a "oferecer" aos madeirenses.

O PSD sabe que os números da proposta apresentada não são credíveis e, sobretudo, tem perfeita consciência da limitação e mediocridade da proposta. O Governo Regional do PSD sabe, efectivamente, que o ORAM 2009 não ajuda as famílias e as empresas: não baixa impostos para as famílias; não aumenta o subsídio que foi proposto, ao salário mínimo; não acautela as injustiças sociais dos que ficaram à margem do crescimento; não assegura os bens de primeira necessidade aos mais pobres; não combate o crescimento da pobreza; não apresenta uma política fiscal competitiva, devolvendo esperança aos empresários; não introduz medidas de curto prazo, de modo a ultrapassar as dificuldades de liquidez das empresas; não tem propostas para diversificar a economia; não estabelece objectivos concretos para a Zona Franca; não aposta na inovação; não alavanca o sector privado; não combate o marasmo do sector empresarial; não transmite confiança às empresas e, finalmente, não combate, de forma decisiva, o aumento do desemprego.

Ao contrário, o ORAM 2009 aumenta o endividamento, hipoteca as novas gerações, lançando um verdadeiro saque sobre o seu futuro, e aprofunda o desperdício (o peso das despesas correntes continua a crescer).

Entretanto, os responsáveis escondem os números e escondem-se da discussão e do debate, fugindo dos fóruns onde ele podia dirimir-se, nomeadamente o fórum por excelência do combate democrático que é a ALR. Estão disponíveis para despender horas e horas a discutir os 0,19% de redução das transferências do Orçamento de Estado (OE). Um Orçamento que, depois de conhecer os ORAM 2009, podemos dizer (do Orçamento de Estado) que constitui a única tábua de salvação dos madeirenses para 2009. De facto, ao contrário do Orçamento do Governo do PSD, o Orçamento do Governo da República, da responsabilidade do Partido Socialista, defende os interesses da Madeira, porque: aumenta o salário mínimo; aumenta os salários da função pública; ajuda as famílias a pagar as dívidas dos empréstimos da casa; aumenta as deduções à colecta, permitindo pagar menos IRS; diminui os impostos para as empresas; introduz medidas consistentes de injecção de liquidez na economia e aposta na inovação. Da minha parte prefiro, e digo-o sem restrições, que as transferências do OE sejam efectuadas directamente para os madeirenses e não transferidas para um governo, como o do PSD-Madeira, que é laxista, gastador e sem escrúpulos, permitindo beneficiar um certo grupo de interesses e deixando à margem a maior parte da população. Na verdade, o ORAM 2009 é o orçamento que sustenta o sistema. Depois de terem tirado 500 milhões de euros à Madeira, na sequência de um processo que ninguém compreende, depois de terem condicionado as transferências da República, na sequência desse erro histórico, o PSD apresenta-se pior que nunca: sem ideias, sem soluções, sem crédito, sem projecto. Um partido vazio que sustenta um governo oco e interesseiro, conforme se verifica pela análise do ORAM 2009.

Por:
Carlos J. Pereira

Com a devida vénia: Diário de Notícias

Pobreza madeirense

Os madeirenses estão pobres (muito pobres) e pagam sempre mais (muito mais), e como dizia o historiador e pensador da Grécia Antiga - Tucídides:


































"Entre nós é vergonhoso reconhecer a própria pobreza; mas pior do que isso é não esforçar-se para escapar dela."
(Tucìdides)

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Portugal segundo jardim > em 30 frases célebres

















1 - " O Dr. ALMEIDA SANTOS ou bebeu ou está a ficar senil".

2 - " O senhor (ANTÓNIO) CAMPOS, dito vaca louca (...) é quando à Madeira que a loucura bovina do dito mais se inflaciona".

3 - " ANTÓNIO GUTERRES, "mafioso", "aldrabão", "fariseu e caloteiro", "está tonto e em termos políticos na Idade Média".

4 - ARONS DE CARVALHO "fauno da esquerda cabotina".

5 - "O comportamento do sr. (CAVACO) SILVA é causa de expulsão do partido".

6 - " A delinquente socialista EDITE ESTRELA fez mais uma das suas peixeiradas".

7 - EDUARDO CATROGA no Governo, "um dos erros imperdoáveis de Cavaco Silva".

8 - JAIME "GAMA é um Mussolini". "A final não há um tonto no PS , mas vários".

9 - JOSÉ MAGALHÃES "o dos perdigotos ou da visível alegria às águas correntes".

10 - "Não leio essas merdas" de JOSÉ SARAMAGO.

11 - JOSÉ SOCRATES " tem obsessões com a Madeira que iniciaram já um aspecto doentio. Quem está doente, trate-se".

12 - "O inefável MÁRIO SOARES é choné". " Dada a provecta idade do cavalheiro, resta denominá-lo de aldrabão reincidente e desprezá-lo".

13 - MIGUEL SOUSA TAVARES "defesa baba e ranho no socialista PÚBLICO".

14 - PAULO PORTAS é "injusto, hipócrita e desleal".

15 - RUI MACHETE " fundamentalista e reaccionário".

16 - VICENTE JORGE SILVA "traidor à Madeira", "um pobre de espírito".

17 - "Provocações arruaceiras do comunista VITAL MOREIRA, hoje refugiado do PS, em acasalamento vergonhoso de oportunismo".

18 - "Estou-me a cagar para Lisboa. Quero que a ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA se foda".

19 - " A JUSTIÇA em Portugal é uma autêntica bandalheira".

20 - TRIBUNAL CONSTITUICIONAL, "a bizantinice do nosso sistema constitucional".

21 - "Bodega da COSTITUIÇAO "manta incoerente, destrambelhada de regulamentos para tudo".

22 - "COMISSÃO NACIONAL DE ELEIÇÕES, " a bufaria , a nova PIDE".

23 - MINISTRO DA REPÚBLICA "cinto de castidade da autonomia".

24 - OPOSIÇÃO regional, "eleitorado do cachorro", "abustres", "bando de canalhas", "energúmenos".

25 - DIARIO DE NOTICIAS, "o panfleto político diario".

26 - "Folheca" EXPRESSO, "o pasquim do Balsemão".

27 - INDEPENDENTE, "jornalismo energúmeno".

28 - "O socialista PÚBLICO do capitalista Belmiro".

29 - A TVI "para mim é papel higiénico".

30 - JORNALISTAS do continente, "bastardos, para não chamar filhos da puta".


Com a devida vénia Publico , 14 de março de 2008

Muitos prometem...


















NOVA DEMOCRACIA


Cumpre

PND Garajau

video

Confusão na Assembleia - PND

video

Assembleia PND

video

Assembleia da Madeira

video

Normalidade

video

ALM Baltazar Aguiar

video

domingo, 23 de novembro de 2008

A transmissão em deferido do parlamento: muito grave














Parece mentira que a explicação dada por LFM sobre a transmissão em deferido (na net) das sessões da ALRAM tenha sido a de "dignificar a Assembleia"?! Parece mentira mas não é! Resta perguntar a LFM se alguém lhe deu esse poder para assegurar esta absoluta anormalidade? LFM quer assegurar que desliga a emissão se algo que ele considere pouco digno ocorrer( deve ser pouco digno para o PSD porque se for para os outros partidos já percebemos que fica ligada!) Quem pensa que é este Senhor? É assim que se garante a normalidade no parlamento? Através de decisões insólitas tomadas não por todos os líderes, não pelo Presidente da ALRAM (por muito aberrante que fosse mesmo assim seria mais aceitável!) mas pelo Alto Funcionário Chefe de Gabinete LFM!
É por estas e por outras que há gente que não tem qualquer credibilidade para falar de democracia e LFM é, sem dúvida, uma dessas pessoas, por muito que atabalhoadamente vá tentando dizer o contrário.

Com a devida vénia Apontamentos sem nome (Carlos Pereira)

sábado, 22 de novembro de 2008

Resultado da sondagem do Blog Politica Pura e Dura

Qual o deputado mais eficiente da Assembleia Legislativa da Madeira?



















Baltasar Aguiar (PND) 43 Votos (26%)














Carlos Pereira (PS) 38 Votos (23%)
















José Manuel Coelho (PND) 34 Votos (21%)














Victor Freitas (PS) 9 Votos (5%)













Edgar Silva (PCP) 8 votos (5%)














Lino Abreu (CDS) 6 Votos (3%)












Roberto Almada (BE) 4 Votos (2%)













Outros 4 Votos(2%)














João Isidoro (MPT) 4Votos (2%)













José Manuel Rodrigues (CDS) 4 Votos (2%)















João Carlos Gouveia (PS) 2 Votos (1%)













Rubina Gouveia (PSD) 2 Votos (1%)















Jaime Ramos (PSD) 2 Votos (1%)
















Leonel Nunes (CDU) 0 Votos (0%)

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

10 coisas que não sabes sobre: Alberto João Jardim

















1. Liberta sempre os gases corporais pois acredita que se não saírem pelos orifícios naturais se alojam no cérebro provocando lesões como as de Cavaco Silva.


2. Prende a respiração quando na rua se cruza com chineses.


3. Acredita que as hemorróidas se podem transmitir quando se senta numa cadeira que está quente porque alguém que esteve lá sentado acabou de se levantar.


4. Tem saudades dos tempos em que conseguia roer as unhas dos pés.


5. Cola os macacos do nariz, os mais molhados, debaixo da cadeira do escritório.


6. A última vez que viu um homossexual foi no filme Filadelfia e tapou os olhos com receio de apanhar alguma doença.


7. Tem como sonhos gravar um CD de música popular, encontrar petróleo na Madeira e saltar de pára-quedas, de preferência realizar os três em simultâneo.


8. Faz sempre uma das apostas no totoloto com os números 1,2,3,4,5,6


9. Costuma acordar com o seu próprio ressonar.


10. Tem saudades de ter apenas um queixo.

Com a devida vénia: http://iva.caoazul.com/blogiva/

"Recomendações a um moralista"













Ao ler a epístola do Sr. Edgar Silva publicada na edição de 18/11/08, e perante semelhante manifestação de sentimento de horror pela exibição da bandeira nazi no parlamento regional, custa-me a crer que uma alma tão impressionável e uma mente tão culta (a julgar pelas citações que emprega) não fique também horrorizada com a exibição pública da foice e do martelo da bandeira do PCP.

Seria de esperar que já tivesse antes escrito uma outra horrorizada carta a execrar a "monstruosidade" que foi o comunismo, sob cuja bandeira foram já eleitos diversos deputados regionais. Mas não. Despertada do "sono dos justos", essa susceptível alma só tem olhos para a satânica bandeira nazi. Que espantosa sensibilidade selectiva. Se calhar os cerca de 100 milhões de mortos causados pelo comunismo não foram um «genocídio organizado». Mataram-se a eito, tipo moeda ao ar, 20 milhões na União Soviética, 65 milhões na China Comunista, e dezenas e dezenas de milhões no Vietname, na Coreia do Norte, nos países satélites da Rússia comunista, em Cuba, etc., mas isso são bagatelas insignificantes. Amendoins ou tremoços certamente. Números que uma prestimosa carta de leitor sobre os horrores do nazismo logo faz esquecer e até redimir.

Caro Senhor, perceba que possam existir pessoas que, conhecendo e condenando todos esses horrores (do nazismo, mas também do comunismo, do nacionalismo, do africanismo ou do arabismo), não estão petrificadas por complexos de esquerda, nem por idiotices politicamente correctas.

Já agora, caso queira continuar horrorizado - há quem goste desse estado - recomendo, aproveitando a febre consumista desta época do ano, a compra do Livro Negro do Comunismo, e depois então "falaremos" sobre o «inconcebível». Mas entretanto, e para terminar, lembro o aforismo de um poeta russo que teve a sorte de não figurar na interminável lista de mortos em "gulags": se tiveres de rastejar, rasteja.

Por: Baltasar Aguiar

Com a devida vénia: Diário de Notícias

Por:
Baltasar Aguiar

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

...e disse em 1989, 1990, 1991























" A Madeira nunca deixou de pagar nada a ninguém".

"Vamos acabar com o vicio de pedir subsídios para tudo e para nada".

"Cometeram-se alguns erros ao longo dos diversos mandatos".

" A coligação PS/CDS representa a tentativa de restaurar a velha Madeira contra a Madeira nova".

" Já recebi cartas de Lisboa como as que Salazar mandava".

" Os que saíram do PSD fizeram-me um favor".

"Acredito que haja corrupção mas é preciso prová-lo".

"Não sou candidato à Presidência da Republica".

"No dia que eu estiver cansado, será como o Jogador de futebol, baixarei à reserva".

"Não posso andar por aqui a perder tempo com a oposição e certos fulaninhos".

"A Impressa não é o quarto poder".

"Senhor ministro, fique por ai mais uns dias que isto aqui está quente..."

" Agora a luta é contra o socialismo".

"Vamos fazer da Madeira um inferno no bom sentido".

"O PS tem a loja o CDS distribui o gás".


Com a devida vénia: Diário de Notícias

Eu também fui vice-presidente do CDS ?











" Durante o último ano, a minha vida politica foi rigorosamente igual à de Nobre Guedes: eu não tive interesse em desempenhar cargos no CDS, não compareci numa única reunião do partido nem participei em qualquer iniciativa partidária. Por isso, há uma possibilidade muito forte de eu ter sido vice-presidente do CDS sem o saber."

Por Ricardo Araújo Pereira

Com a devida vénia a VISÃO

Recomenda-se uma leitura


Com a devida vénia: Diário de Notícias

Frases do dia

















"Uma Assembleia virtual que devora 17 milhões" - José Manuel Coelho (PND).

"Este Governo, à semelhança da máfia napolitana, tem o objectivo de construir obras para a família" - José Manuel Coelho (PND).


Com a devida vénia: Diário de Notícias

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

O actual ex - vice - presidente do CDS em funções























Luis Nobre Guedes, vice -presidente do CDS, demitiu-se. Até aqui, tudo bem. É uma atitude de um bom-gosto e de uma sensatez que não podem deixar de se louvar. O problema é que, um ano depois da demissão, ainda ninguém tinha dado pela sua falta. É possível que ser vice-presidente do CDS seja o mrlhor emprego do mudo. Quando Paulo Portas diz que o seu partido cria melhores empregos não esta a brincar. No CDS é mais facil ser eleito para um cargo do que sair dele.

Por Ricardo Araújo Pereira

Com a devida vénia a VISÃO

Procura-se legenda para esta foto


Nuno Morais Sarmento critica o PSD-Madeira











"O presidente do conselho de jurisdição do PSD, Nuno Morais Sarmento, criticou ontem a suspensão (já revogada) dos trabalhos da Assembleia Legislativa da Madeira e do deputado do PND que ali exibiu uma bandeira nazi, mas mostrou-se compreensivo com o facto. "O comportamento do deputado é inaceitável" e o que se seguiu foi "uma reacção desproporcionada que se pode compreender num primeiro momento" mas "não se pode defender porque é insustentável", afirmou Sarmento ontem na Rádio Renascença. "Foi uma reacção disparatada a um comportamento disparatado", acrescentou. Questionado sobre o silêncio da líder do PSD sobre o assunto, o responsável pela disciplina do partido sublinhou que "há uma relação de autonomia do PSD-Madeira que o PSD nacional respeita". Segundo afirma, os órgãos regionais do partido "não devem obediência" à cúpula nacional. Ainda assim, lembrou que "o PSD não defendeu, criticou, só não fez chicana com o funcionamento das instituições".
Com a devida vénia Publico

terça-feira, 18 de novembro de 2008

A rainha de Inglaterra da Madeira

Coelho diz que "diatribes" de Jardim contra si se devem à luta pela democracia na Região











O deputado único do PND-M, José Manuel Coelho, considerou hoje que “as diatribes” do presidente do Governo Regional e líder do PSD-M, Alberto João Jardim, à sua pessoa devem-se ao facto de “lutar pela democracia na Madeira”.
“O dr. Alberto João Jardim refere-se à minha pessoa porque ele está confrontado com a minha luta que é chamar a atenção do povo madeirense para um líder, tipo africano, que se quer perpetuar no poder porque a democracia na Madeira é praticamente inexistente e isto só tem paralelo com os países africanos”, disse o deputado, à Agência Lusa. Num artigo de opinião publicado hoje no Jornal da Madeira, intitulado "Ódio à Madeira", o presidente do Governo Regional comenta pela primeira vez os incidentes no parlamento regional, escrevendo que um “pobre diabo (…) resolveu exibir uma bandeira nacional-socialista na Assembleia Legislativa da Madeira”. “Foi preciso, de uma vez por todas, restaurar a normalidade de procedimentos e acertar com os deputados as medidas a assumir no futuro, de modo a que, dadas as lacunas da Constituição e das leis da República Portuguesa, que não impedem estas bandalheiras – também, mais não se lhes espera…- se voltasse ao normal funcionamento institucional”, escreve Jardim no jornal onde o Governo detém 99 por cento do capital social. “Para que tudo fosse reorganizado calmamente – continua o líder do PSD – o agente foi impedido, durante um dia, de entrar no edifício do Parlamento. Tratou-se de uma situação que configurava, em absoluto, “estado de necessidade””. A esta apreciação, o deputado José Manuel Coelho responde afirmando que “pela primeira vez, surgiu alguém que lhe fez frente, que disse que o rei ia nu”. “É claro que não gostou. Agora, barafusta, diz que as culpas são de Lisboa e diz as maiores diatribes contra a minha pessoa mas eu estou, aqui, para que haja democracia nesta terra e alternância política”, contrapõe o deputado único do PND que sublinha que “a pior forma de ditadura é a ditadura encapotada, disfarçada e mascarada de democracia”. Alberto João Jardim, porém, no seu artigo refere que “uma vez mais, logo uma pseudo-esquerda lisboeta, de opções políticas óbvias, babou a sua raiva contra o povo madeirense, as suas instituições democráticas e a sua maioria política”. “Talvez a questão mais acerrimamente bipolarizante, de confronto, que divida a sociedade portuguesa, seja a Madeira”, opina Jardim, que adianta não ser um problema para ele. “Só nos interrogamos porque é que, de uma vez por todas, se os incomodamos tanto, não querem se ver livre de nós?”, escreve. Referindo-se a Portugal com o advérbio de lugar “lá”, João Jardim critica: “lá, ninguém procurou antes saber quem era o tipo que provoca as zaragatas, porquê se diz comunista, onde foi militante, confessa votar socialista e é deputado do partido do Manuel Monteiro”. “Ninguém procurou saber a razão pela qual o partido de Monteiro e o estrato social madeirense que o sustenta, usa o exotismo da criatura em questão, mormente procurando desprestigiar a Assembleia Legislativa da Madeira, órgão primeiro da autonomia”, acrescenta. E continua - “ninguém procurou averiguar donde veio a bandeira nacional-socialista, quem a tinha para fornecer, e porquê”, nem “saber os insultos e palhaçadas quotidianas, com que se vai pretendendo ofender os autonomistas sociais-democratas madeirenses, ante a inutilidade ou vazio das leis e órgãos da República Portuguesa”. Escreve ainda que “lá” também ninguém se preocupou “com a passividade da República, ante a discriminação negativa que os socialistas vão abatendo sobre o povo madeirense, numa vergonhosa instrumentalização partidária do Estado”. “Mas preocupam-se com um tipo destes!...”, termina, vaticinando: “vejamos o que acontecerá em Lisboa, quando situações idênticas, talvez mais próximas do que longe, um dia se verificarem”.

EC. Lusa/fim

Com a devida vénia Agencia Lusa



O refém do chefe de gabinete














Parece incrível que LFM não perceba que é um forte contribuinte (líquido) para anormalidade do Parlamento da Madeira. Finge que não sabe (mas eu sei que sabe) que é uma das expressões mais concretas e inequívocas da contribuição infeliz, maldosa e inadmissível para um estado de anormalidade na ALRAM. Veja-se, por exemplo, mais um episódio do chefe de gabinete do Presidente da ALRAM a comentar, no seu blogue (ou da ALRAM, confesso que já nem percebo!) as propostas do PCP ao OE, em contraponto com o PS, usando, ainda por cima, uma linguagem inadmissível, inapropriada e intolerável. É pena que este Senhor não tenha espelho em casa porque, na verdade, não tem moral para se escandalizar com nada do que se passa no Parlamento. Na verdade, o deputado Manuel Coelho está, inclusive, bastante mais isento de responsabilidades que este Senhor. Mais. O deputado Manuel Coelho tem toda a legitimidade para actuar da forma que actua porque quando um chefe de gabinete não se dá ao respeito, sobrepõe-se ao Presidente e está na ALRAM a mando de AJJ e sob sua protecção, nada mais pode ser surpresa! Além disso, e verdadeiramente grave, tudo isto passa-se com uma verdadeira impunidade. Onde o próprio Presidente da ALRAM (coitado!?) é refém de um autentico vigilante enviado por AJJ.

Com a devida vénia Apontamentos sem nome (Carlos Pereira)

No tempo do fascismo...



Havia pessoas que eram perseguidas por delito de opinião - ousavam pensar de forma diferente e afirmar o que pensavam;

Havia familiares dessas mesmas pessoas que eram despedidos dos seus empregos, apenas por serem familiares dos proscritos;

Havia pessoas, comerciantes, advogados, actores e outros profissionais livres, que perdiam todos ou quase todos os seus clientes, pelo medo que estes tinham de poder ser associados a eles;


Havia um serviço de informações consubstanciado por uma rede de bufos, nas lojas, nos cafés, nas praças, que se apressavam a ir contar ao poder instalado tudo o que ouviam e por vezes aquilo que não tinham ouvido mas interessava ao poder;

Havia dirigentes políticos que mandavam agredir os seus adversários;

Havia um condicionamento que levava a monopólios em determinadas áreas económicas, estando essas empresas nas mãos de meia dúzia de famílias, que a cada ano estavam mais ricas;


Havia medo, um medo que era incutido na população através das múltiplas perseguições de que eram alvo os opositores. Com o exemplo do que faziam a eses opositores, tentavam amedrontrar os outros e evitar que os ideais democráticos se espalhassem;


Mas isso, era no tempo do fascismo, não era?


Com a devida vénia a A Cagarra

«porque não te calas?»

"Sá Carneiro deve dar voltas no túmulo", afirma Menezes























Luís Filipe Menezes disse hoje que Sá Carneiro “deve dar voltas no túmulo” por ver o partido que fundou “defender que a democracia devia ser suspensa".
“O PSD deve escolher rapidamente uma nova direcção”, reafirmou o ex-líder social-democrata. A presidente do PSD, Manuela Ferreira Leite, questionou hoje, a propósito da reforma do sistema de justiça, se “não é bom haver seis meses sem democracia” para “pôr tudo na ordem”. No final de um almoço promovido pela Câmara de Comércio Luso-Americana, Manuela Ferreira Leite demarcou-se da atitude do primeiro-ministro, José Sócrates, que “na tomada de posse anunciou como grande medida reduzir as férias do juiz”. Defendendo a ideia de que não se deve tentar fazer reformas contra as classes profissionais, Manuela Ferreira Leite declarou: “Eu não acredito em reformas, quando se está em democracia…” - fazendo nessa altura uma pausa e deixando a frase por concluir. “Quando não se está em democracia é outra conversa, eu digo como é que é e faz-se”, observou em seguida a presidente do PSD, acrescentando: “E até não sei se a certa altura não é bom haver seis meses sem democracia, mete-se tudo na ordem e depois então venha a democracia”. “Agora, em democracia efectivamente não se pode hostilizar uma classe profissional para de seguida ter a opinião pública contra essa classe profissional e então depois entrar a reformar - porque nessa altura estão eles todos contra. Não é possível fazer uma reforma da justiça sem os juízes, fazer uma reforma da saúde sem os médicos”, completou Manuela Ferreira Leite. Considerando que estas declarações de Ferreira Leite "raiam o absurdo", Menezes considerou-as "particularmente infelizes quando se está a poucos dias da evocação de Sá Carneiro, por ocasião do aniversário da sua morte, a 04 de Dezembro. "Quantas voltas estará a dar no túmulo Sá Carneiro ao ver o seu partido defender que a democracia deve ser suspensa", afirmou Menezes, para quem "o PSD tem de dizer chega, basta". Menezes gostaria ainda de saber a opinião do Presidente da República, Cavaco Silva, que "foi um grande reformador em democracia e não precisou de suspensões de seis meses". Para o ex-líder do PSD, "ser contra o aumento do salário mínimo é uma desqualificação da actual direcção. Mas defender uma opinião como esta põe em causa a imagem do PSD enquanto partido equilibrado". "Não me lembro de algum líder de um partido democrático fazer uma declaração minimamente semelhante a esta em toda a Europa contemporânea," acrescentou Menezes, considerando que tudo isto prova que "aquilo que disse ser um golpe de Estado contra a anterior direcção foi de facto isso mesmo, um golpe de Estado, porque esta liderança é totalmente desqualificada". Por tudo isto, sustentou, "não é possível ao PSD não fazer eleições. Não é possível conviver com isto, com uma direcção política que vive nas nuvens. Ainda por cima num momento em que o PS está tão desgastado e em que seria tão fácil fazer oposição". "Como o engenheiro Sócrates deve estar sorridente", frisou. Menezes referiu ainda que muitos militantes "mostram estar com saudades da anterior direcção", mas recusou-se a pronunciar-se sobre uma eventual recandidatura sua à liderança do partido. “Isso não está em cima da mesa neste momento", frisou. "Estou disposto a dar todos os contributos para o futuro do PSD, mas a liderança poderá passar por outras soluções", acrescentou. MSP. Lusa/Fim

Com a devida vénia Agencia Lusa

A CULTURA DA TASCA























Depois do Presidente do Governo Regional, pedir ao povo para "ir tratando dos seus opositores", veio agora o Presidente do Nacional dizer aos seus adeptos que "temos que nos mostrar hostis em relação à comunicação social, eles têm que saber que também somos guerreiros e que damos duas bofetadas quando fazem estas atordoadas em relação ao nosso clube".
A realidade mostra que a maior parte dos líderes desta terra simbolizam bem a cultura madeirense, que não se podendo generalizar a todos os que têm os genes deste "povo superior", poderia denominar-se como a "cultura da tasca". Na verdade são os expoentes máximos de um modo de vida enraizado no sangue madeirense, e que socialmente merecia um estudo científico, se é que a ciência pode explicar...
A sociedade madeirense é uma sociedade demasiado conservadora, dominada pelo homem machão, frequentador da tasca onde bebe desalmadamente com os amigos do copo, que discute com esses mesmos amigos a sua opinião até à exaustão, que não aceita opiniões diferentes, que parte para a pancadaria quando alguém lhe faz frente, que chega a casa e descarrega com violência na mulher todas as frustrações do dia, que inveja o sucesso e bem estar dos vizinhos, que está sempre à espera de subir na vida ou conseguir "mais qualquer coisa" com cunhas ou favorecimentos pessoais, que fala maliciosamente da vida dos outros, envenenando e magicando enredos maquiavélicos.
Estes cenários passam-se a um nível sócio-económico baixo, mas de igual modo nos mais elevados, embora com outro requinte e outros ambientes. É por isso que o maior problema desta terra, é não termos gente de qualidade na liderança da maior parte das instituições, seja a associação cultural da esquina, passando ao clube local, à Câmara Municipal, ou até ao próprio Governo.

Com a devida vénia besoirar

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Foi a vontade de DEUS...























A única certeza que temos em nossas vidas, é que um dia todos morreremos. Mesmo sabendo que isso pode ser assustador para nossa limitada capacidade de entendimento, essa é uma lei imutável da natureza.

Contudo Deus, em sua infinita sabedoria, mostrou ao ser humano que há “um algo mais” além da morte. Uma esperança de que, de uma forma ou de outra, nossa vida continuará após esse momento tão dramático.

Mesmo assim, é muito difícil deixar que a pessoa que amamos se vá. E nos conformarmos com o estranho vazia que sua ausência causará. Ficamos revoltados e nos perguntamos o porque de tanto sofrimento e d tanta dor. Podemos ficar zangados e, até mesmo, maldizer a DEUS achando-o injusto.

Porém, como nosso Pai é infinitamente muito mais sábio do que nós sonharemos ser um dia, ele sabe que nossa revolta e que nossa desilusão nada mais são que a manifestação de nosso não entendimento e falta de maturidade espiritual.

Não que isso seja horrível ou mau. Isso é apenas… humano. Ele sabe disso e, como pai amoroso que é, finge que não nos escuta. Aos poucos, ele nos manda sinais e pessoas orientadas por anjos que, logo logo, abrandarão aquela revolta e aquele sofrimento; nos colocando de volta no caminho.

Somos egoístas e queremos sempre as pessoas que amamos perto de nós. Mas nada é mais natural do que isso. Não queremos esperar para reencontrarmos os que se foram. E, em nossas mentes, nos perguntamos: Se vamos nos encontrar, para que partir então?

Muito simples. Para que possamos evoluir e completar nosso entendimento sobre o valor da vida. Quantos não levam a vida apenas buscando a morte e a destruição de si mesmos e de suas almas? Mas Deus sempre quer o melhor para nós. E na morte Ele faz com que finalmente entendamos o valor de tudo. O valor do amor. Que é apenas o eu levamos deste mundo.

Então; se perdeu alguém que amava, chore; grite; fique zangado. Mas depois, saiba que Deus também passou por isso ao ver Seu Filho único morrer na cruz. Mas, mesmo assim, seu legado par nós foi apenas o amor.

Diante da morte de Seu corpo físico, Jesus implorou a Seu Pai: “Pai, afasta de mim este cálice amargo”.

Mas, no fim, ele entendeu o verdadeiro significado de tudo e cumpriu o seu destino.

Em minha modesta opinião, ninguém descreveu tão bem a morte quanto o grande poeta Fernando Pessoa. Ele diz: “A vida é uma estrada onde almas se encontram e se separam; a morte é apenas uma curva na estrada. Morrer é só não ser mais visto”.

Pense nisso.

O nosso papadas anda doente?

domingo, 16 de novembro de 2008

Que Crise? Perguntem ao Alberto João Jardim!

jardim acaba com analfabetismo por portaria













O Governo Regional da Madeira decidiu administrativamente, por portaria, reduzir para 0% a taxa de analfabetismo no arquipélago. A decisão surge na sequência da avaliação de todos os professores com "Bom" e da fixação administrativa dos preços dos combustíveis. Até ao final do ano, jardim deverá produzir legislação ponho fim às cáries, picadas por réptil rastejantes e precipitação na semana do Carnaval.

DM

Com a devida vénia Publico ( O inimigo público)