sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

FRANCISCO LOUÇÃ NO BANCO DE PORTUGAL

A nomeação de Francisco Louçã para o Banco de Portugal não faz qualquer sentido.
O Conselho Consultivo está cheio de bons economistas, muitos deles com relevante vida académica. É presidido pelo Governador, integra os Vice-Governadores todos os antigos Governadores, o conselho de auditoria e ainda quatro personalidades de reconhecida competência em matérias económico-financeiras e empresariais.
Num conselho pejado de economistas e académicos o legislador entendeu, e bem, que o mesmo deveria ter pessoas das empresas, do mundo financeiro e empresarial. E foi nessa "quota" que Francisco Louçã foi nomeado.
Pergunto:
Quantas empresas criou Francisco Louçã?
Quantos empregos criou?
Quantos conselhos de administração já integrou?
PS - E já agora. Em quatro nomeações não podiam arranjar uma senhora? Não há nenhuma Senhora que seja uma personalidade de reconhecido mérito em questões financeiras e empresariais ? Ou a questão das quotas é só para impor às empresas privadas?

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Eu que não sou de intrigas...


Porque razão o plenário da Assembleia regional da Madeira nunca reúne as segundas e sextas-feiras?

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Um semi-chalupa que pediu, semi-chalupamente, um asilo político a outro semi..digo..total-chalupa. Sim, são usados, mas pensam-se uns senhores. Tristeza!


Frase do dia!

"Há quem use o palco político, não para debater ideias, apresentar projetos políticos, realizar ações para o bem público, discordar por ideologicamente pensar diferente, mas tão só atacar pessoalmente, difamar sem fundamento e ofender intencionalmente. Um género de faroeste em que a vingança, a mentira e as emboscadas fazem parte do guião do filme."

Presidente da Câmara Municipal do Funchal. Paulo Cafôfo

No PPD/PSD Madeira os militantes de base já não valem nada?


Porque razão ninguém fala das oito paginas de publicidade no Diário da Câmara Municipal da ribeira Brava?


A política do vale tudo A postura que se tem na vida pública não pode ser oposta à vida privada, nos princípios, valores

A vida em política para alguém como eu, que só recentemente passou a ter uma participação ativa, não deixa de ser um mundo que tem tanto de interessante e nobre, como de espanto e repulsivo.
A vivência em democracia é riquíssima e desafiante e poder ser ator direto é uma honra. A política faz-se de coisas simples: resolver os problemas de pessoas de carne e osso, com disponibilidade total, e com isso contribuir para que os espaços que governamos sejam melhores sítios, para que as pessoas que ali habitam vivam bem. E é uma tarefa, apesar do muito e do bem que se faça, que nunca acaba.
Mas quem é político não deixa de ser cidadão. Não veio do nada, chegou de um lado, é constituído de personalidade. É uma pessoa que, tanto na vida pessoal ou profissional, tem uma postura e uma conduta. Não deve haver um antes e um depois da política, ou uma espécie de universo paralelo em que se é uma coisa na política e simultaneamente outra na vida pessoal.
O exercício de um cargo político e a vivência da vida quotidiana pessoal não pode ter códigos de conduta distintos. A postura que se tem na vida pública não pode ser diametralmente oposta à vida privada, seja nos princípios, valores e modos de ser.
Devem estar a questionar-se o porquê de toda esta conversa? Em primeiro lugar porque se aproxima uma campanha eleitoral, e pelo o que se tem já assistido, tende a trazer à tona o que de pior a natureza humana pode ter. Não é a política, são as pessoas. Digo-vos que ainda me admiram determinadas atitudes de falta de ética, que assumem expressão de difamação e calúnia, que na verdade, não têm a ver com a política, mas com formação pessoal e educação.
Há quem use o palco político, não para debater ideias, apresentar projetos políticos, realizar ações para o bem público, discordar por ideologicamente pensar diferente, mas tão só atacar pessoalmente, difamar sem fundamento e ofender intencionalmente. Um género de faroeste em que a vingança, a mentira e as emboscadas fazem parte do guião do filme.
Estas questões só interessam aos políticos? Àqueles que diretamente têm de lidar com essa forma de atuar dos seus pares? A política não é só para os políticos. É de todos e todos fazemos política, sejam os que exercem cargos políticos, sejam os cidadãos que os elegem. Por esta razão não podemos, ninguém pode, ficar indiferente com determinadas formas de fazer política que não têm como finalidade a tarefa comum.
Há na política, em todos os partidos, ou mesmo aqueles sem filiação que têm participação política ativa, pessoas decentes. Atrevo-me a dizer que são a maioria, no meio dos quais há sempre alguns oportunistas.
É tudo uma questão de ética. Como tão bem explicou Fernando Savater, “a ética é a arte de escolher o que mais nos convém para vivermos o melhor possível; o objetivo da política é organizar o melhor possível a convivência social, de modo a que cada um possa escolher o que lhe convém.” Tenhamos então ética na política, de modo a que cada um, saiba escolher o que mais lhe convém para vivermos todos o melhor possível.
PAULO CAFÔFO , PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DO FUNCHAL

domingo, 22 de janeiro de 2017

Principal conclusão do XVI Congresso Regional do PSD/Madeira “Laranjinha” seria a melhor candidata do PSD à Câmara do Funchal?


Parabéns Paulo Cafôfo!


Cartoons da Semana



Recomenda-se a leitura. O Futuro nas Autárquicas É no poder autárquico que muitos revelam aquilo de que são ou não são feitos

A Madeira vai novamente a votos este ano e da forma mais bonita de todas: vamos todos voltar a escolher o que queremos para a rua de cada um. Os autarcas são o poder político mais próximo do povo e quem melhor conhece as suas dificuldades: são os que conhecem directamente aqueles que os escolhem e não podem, por isso mesmo, demitir-se de participar na discussão sobre o futuro das populações das freguesias e dos concelhos que governam.
A Madeira insiste num Hospital Novo, mas até hoje continuamos sem resposta a coisas mais urgentes: de que serve termos novos blocos operatórios sem anestesistas para apoiarem cirurgiões? De que serve termos mais camas sem psiquiatras para tratarem da saúde mental? De que serve termos novas Urgências sem ortopedistas para acorrerem aos traumas? De que serve um edifício sem que tenhamos condições para fixar novos médicos na Região? De que serve um Hospital Novo sem medicamentos? De que serve um Hospital Novo se em metade da Região continuarem a não existir Urgências à noite? De que serve um Hospital Novo se a resposta da EMIR não chegar a tempo? De que serve um Hospital Novo se o primeiro nível de resposta, dada pelos Centros de Saúde, falhar?
O Governo Regional protesta com Lisboa sobre o modelo de subsídio às viagens aéreas de que é autor, sobre o avião cargueiro e sobre o ferry que nunca vieram, mas deixa o Porto Santo sem barco e sem solução, como consequência de contratos de concessão feitos à medida. De que serve protestar com os outros quando não se consegue governar em causa própria?
A Universidade da Madeira reelegeu o seu Reitor e excluindo as histórias que nos chegaram sobre a disputa eleitoral, que papel tem tido a sociedade civil na discussão de uma instituição fundamental para o futuro da Região? E o que dizer das dificuldades dos estudantes e das famílias madeirenses, tendo em conta que esta é a instituição com maior percentagem de bolseiros em todo o país?
As autárquicas de 2017 não são apenas sobre onde queremos estar em 2021, nem apenas sobre que condições políticas terão os que se perfilam para o combate eleitoral de 2019; são sobre uma ideia de futuro em que todos devemos trabalhar. Uma ideia de futuro nas áreas da Saúde, da Educação, dos Apoios Sociais, dos Transportes, da Economia, do Ambiente e da Energia, entre muitas outras; uma ideia de futuro que implica respostas locais a problemas regionais a que o Governo tem sido incapaz de responder. E esse futuro perspectiva-o melhor do que ninguém quem anda desde sempre no terreno, a servir a sua população.
É no poder autárquico que muitos revelam aquilo de que são ou não são feitos: os que tentaram e perderam por muitos, mas não aprenderam nenhuma lição; os que resistiram, venceram e hoje lideram pelo exemplo; os que inovaram e resolveram à primeira os problemas que outros deixaram; e os que governaram mal e continuam a fazê-lo no Governo Regional. As autárquicas são como o algodão, não enganam. Este pode ser um ano decisivo para o nosso futuro: porque não são só os autarcas que vão a votos, é o futuro de uma Região que precisa de mais acção no terreno dos que a conhecem e de menos aspiração e aparição dos que tentam à força mostrar trabalho.
Estamos todos convocados para Outubro e na hora da verdade vamos todos mostrar que sabemos escolher.

Fonte: DN Madeira 

Eu que não sou de intrigas,Vejo nas notícias que os congressistas do PPD/PSD Madeira estiveram ontem muito ocupados a discutir questões importantes para o desenvolvimento, progresso e riqueza da Madeira: o carnaval.


Agradeçam ao Miguel Albuquerque, a Rubina Leal e ao PPD/PSD Madeira.





O DIÁRIO deste domingo dá particular destaque aos sem-abrigo que deambulam pela cidade do Funchal. A presença é cada vez mais evidente, como mostra a nossa reportagem, mas a Segurança Social nega que haja mais pedintes nas ruas.