segunda-feira, 24 de julho de 2017

É VERDADE!


Durante oito anos em que Rubina Leal foi vereadora, usava um carro preto, com motorista da Câmara Municipal do Funchal, que foi sempre buscar e por a casa, porque Rubina Leal não é do Funchal nem vive no Funchal. Vive no Caniço!

quinta-feira, 20 de julho de 2017

Paulo Cafôfo com maioria absoluta Sondagem encomendada pelo DIÁRIO dá seis mandatos à ‘Confiança’

Se as eleições autárquicas fossem hoje, Paulo Cafôfo voltava a ganhar as eleições no Funchal e a coligação ‘Confiança’ teria maioria absoluta. Uma vitória com valor acima dos 40% e que pode render seis mandatos.
Estas são algumas das linhas fortes do estudo de opinião encomendado pelo DIÁRIO e pela TSF-Madeira à Eurosondagem, que revelaremos em pormenor na edição imprensa de amanhã. Uma sondagem feita na semana passada, mais propriamente entre 12 e 14 de Julho que implicou 825 tentativas de entrevistas. Destas 117 (14,2%) não aceitaram colaborar, sendo validadas 708 entrevistas.
A menos de três meses do sufrágio autárquico damos conta como estão posicionadas as já assumidas sete candidaturas à Câmara Municipal do Funchal e também revelamos que 15,3% dos funchalenses revelaram para já não saber em quem votar ou simplesmente não responderam à questão.
O erro máximo da amostra é de 3,67%, para um grau de probabilidade de 95% e, como é norma, o estudo está já depositado na Entidade Reguladora para a Comunicação Social.
No primeiro estudo rumos às Autárquicas de 1 de Outubro, publicado a 19 Janeiro deste ano, na altura com 16,3% de indecisos, na distribuição dos onze mandatos em disputa no Funchal, a lista liderada por Paulo Cafôfo, com 48% na projecção, poderia vir a ser responsável por 6 a 7 mandatos, enquanto que o PSD encabeçado por Rubina Leal, com 25,8%, teria ao seu alcance 3 a 4 lugares. Rui Barreto, com 8,7%, seria o único vereador centrista. Na altura, Artur Andrade e Gil Canha corriam o risco de não ser reeleitos.
Em 2013, num sufrágio em que se registou 49,5% de abstenção, a então coligação ‘Mudança’, composta por PS-BE-PND-MPT-PTP-PAN venceu no Funchal com 39,2%, o que lhe garantiu cinco mandatos. A lista liderada por Paulo Cafôfo foi seguida do PSD com 32,4%, que renderam 4 mandatos, do CDS com 14,5% e da CDU com 8,3%, ambos com um mandato.
Fonte: DN

Somam-se os números sem se olhar às qualidades. Para uma "grande minoria" minam-se candidatos em qualquer lado, atribuem-se-lhes um crachá polido juntamente com uma ilustre pancadinha nas costas e siga Freitas. A política não é apenas o número ou as "massas acéfalas". São as ideias e o propósito. É com essa legitimidade que se submete uma personificação a sufrágio.

FONTE: RTP M

terça-feira, 4 de julho de 2017

Rubina não és Leal


Com as eleições autárquicas à porta segue-se com atenção o que cada candidato elabora e estabelece para o seu percurso, dado entusiasmante é a candidata do PSD à Câmara do Funchal ter sido candidata pelo PSD/Santa Cruz à Assembleia Legislativa da Madeira, a mesma candidata foi indicada pelo PSD/Funchal. E nas próximas eleições onde será candidata?
Porque não se apresentou como candidata à Câmara de Santa Cruz? Tem medo dos irmãos Sousa ou não reunia perfil necessário?
Em 10 anos a acompanhar as lides políticas de Albuquerque como sua n.º 2, esta senhora é tão culpada pelos problemas com que a Câmara se deparou. Foram 10 anos de abuso excessivo e controlo, agora como candidata tenta implementar as mesmas ideias que de nada serviram naquela década, como teimosia. Sete pecados sociais: política sem princípios, riqueza sem trabalho, prazer sem consciência, conhecimento sem caráter, comércio sem moralidade, ciência sem humanidade e culto sem sacrifício.
Aldónio Lopes Jardim
Fonte: DN

RUBINA LEAL DO PPD/PSD QUER UMA PISTA DE ATLETISMO NO FUNCHAL. DEIXEM -ME RIR.


De borla vai tudo!






Foto do dia!


segunda-feira, 12 de junho de 2017

Outra vez Artur Andrade?




Já mete nojo.


Gil Canha tem um problema - mas não é com Paulo Cafôfo, é com a Democracia. Por João Pedro Vieira


À primeira lê-se e não se acredita; à segunda percebe-se, discorda-se, mas aceita-se: Gil Canha não é o que muitos como eu julgavam ser e qualquer razão que pudesse ter no passado, perdeu-a pelo caminho.
Não há duas formas de olhar para as entrevistas em que Gil Canha se multiplica nos ataques à actual equipa da Câmara Municipal do Funchal, há uma só, porque são ambas a face da mesma moeda - e a única atitude honesta perante isso é a denúncia da demagogia, do populismo e do infeliz papel a que Gil Canha se presta, ao serviço de qualquer coisa que desconhecemos, mas que facilmente compreendemos.
Se dúvidas existissem sobre isso, basta um exercício rápido de comparação entre essas duas entrevistas para concluirmos o óbvio:

- A 3 de Março, no JM, Gil Canha era, nas palavras do próprio, um “bicho político”; hoje, no DN, é um técnico e da sua equipa só farão parte técnicos;


- A 3 de Março, Alberto João Jardim e Miguel Albuquerque estavam para a Madeira como Salazar e Marcelo Caetano para o país; hoje, os dois podiam fazer parte do seu grupo de férias, a bordo de um qualquer cruzeiro;


- A 3 de Março, o poder de Alberto João Jardim era “autocrático” e “ditatorial”; hoje, era capaz de “rir um pouco” com Alberto João e o seu “sentido de humor”; 


- A 3 de Março, Albuquerque era a “evolução na continuidade” de Alberto João Jardim, era a “rapinagem agora de fraque e luva branca”; hoje, é alguém com quem passar férias, apesar dos “desentendimentos” pontuais;


- A 3 de Março, o “maior mentiroso” da Madeira era Michael Blandy e o DN estava “bem que pior que o JM do tempo de Jardim”; hoje, Gil Canha dá uma entrevista ao DN e acaba por ser capa contra Cafôfo numa entrevista em que diz que não as há;

- Hoje, na mesma entrevista, Gil Canha fala dos “laivos de corrupção” do tempo de Albuquerque e Rubina Leal, mas não resiste a um elogio à “trabalhadora incansável”, que merece o reconhecimento de toda a gente. Porque nesse tempo, aí sim, havia preocupação com o “alindamento da cidade” - e, já agora, das contas também.
Honra lhe seja feita, num ponto Gil Canha mantém a coerência: na demonstração da motivação que o move, que não é, como diz e bem, o benefício da cidade, mas a destruição de Paulo Cafôfo. Como dizia a 3 de Março, o que importa é “fazer tudo para o Sr. Cafôfo não vencer a Câmara”.
Nessa sua batalha justiceira, Gil Canha acaba, como todos os populistas, apanhado na sua própria rede de demagogia: critica o populisno, mas utiliza como arma a mais populista de todas elas - a acusação de que todos são corruptos, menos o próprio; coloca-se num patamar acima de todos os outros, nos planos político, técnico, intelectual e moral, e acaba fuzilado pelo próprio discurso; acusa os outros de mudarem de posição, mas a sua não resiste a uma avaliação com 3 meses de distância; e, ironia do destino, acaba a entrevista de hoje a elogiar três das personagens principais de um regime que há 3 meses era “autocrático” e “ditatorial”, em nome de um partido monárquico, pelo qual se candidata num regime republicano e num sistema democrático.
Gil Canha ainda pode enganar alguns, mas como dizia o seu saudoso Alberto João Jardim, à primeira qualquer um pode cair, mas à segunda cai quem quer. Hoje, é bom saber que aquilo que nos separa é bem maior e mais profundo do que o fruto da circunstância, porque Gil Canha demonstra ser apenas mais um dos que julgam que os madeirenses não têm memória, nem critério para separar o bem do mal.
O discurso de Gil Canha passou a integrar o lote dos que não merecem a importância que julga ter e o melhor é ficarmo-nos pelo debate que vale a pena - sobre porteiros: é que a 3 de Março Cafôfo tinha uma “voz” e um “timbre” fantásticos, mas hoje já nem para porteiro serve - e eu que não sou de intrigas, antes quero voz que me abençoe que justiceiro que nos desgrace.

Frase do dia!


quinta-feira, 8 de junho de 2017

O clã Prada tem-se numa conta que vai muito além das suas reais capacidades.


Não é por um dos seus ter andado (até terem descoberto as suas insuficiências) em uma coisa chamada KPMG e agora ser um dos meninos de mão do famoso hoteleiro e o seu irmão se achar um ''piadolas'' nos blogues e facebook, para dar uma de macho, que a coisa muda. Um revela muita prosápia mas uma enorme falta de jeito para a grande gestão. O outro muita vadiagem e pouca dedicação ao lugar de deputado da região em que se encontra investido.
O último julgou-se com conhecimentos para mandar uns ''bitaites'' sobre urbanismo e resolveu atacar um empresário que tem dado a sua contribuição para no combate ao desemprego nesta região. A ave de arribação que se senta na assembleia, acha-se com moral para criticar alguém que está a investir na sua terra (só para o projecto hoteleiro que já existia e que tinha recebido a aprovação pela Câmara então presidida pelo novo chefe, são cem milhões)
O curioso é assistir ao seu silêncio ensurdecedor face à decisão do mano administrador do hoteleiro de sucesso, que resolveu transformar um hotel de 170 quartos numa unidade de 300 quatros.
Turismo? 
Fiscalização?

Como?... se o do Turismo faz parte da casta e frequenta os mesmos ambientes ditos ''selectos''.
Todos têm ainda em comum uma certa recaída pelas direitas (Garajau, CDS na sua pior fase, nas cumplicidades com a esquerda da boa vida- caviar- e ainda nas maledicências de salão povoadas por ingleses por outros que gostavam de o ser mas não passam de serviçais e uns patetas que se serviram e ainda se servem do PSD ). 
Blog renovadinhos

O JM não é o Jornal da Madeira.