segunda-feira, 12 de junho de 2017

Outra vez Artur Andrade?




Já mete nojo.


Gil Canha tem um problema - mas não é com Paulo Cafôfo, é com a Democracia. Por João Pedro Vieira


À primeira lê-se e não se acredita; à segunda percebe-se, discorda-se, mas aceita-se: Gil Canha não é o que muitos como eu julgavam ser e qualquer razão que pudesse ter no passado, perdeu-a pelo caminho.
Não há duas formas de olhar para as entrevistas em que Gil Canha se multiplica nos ataques à actual equipa da Câmara Municipal do Funchal, há uma só, porque são ambas a face da mesma moeda - e a única atitude honesta perante isso é a denúncia da demagogia, do populismo e do infeliz papel a que Gil Canha se presta, ao serviço de qualquer coisa que desconhecemos, mas que facilmente compreendemos.
Se dúvidas existissem sobre isso, basta um exercício rápido de comparação entre essas duas entrevistas para concluirmos o óbvio:

- A 3 de Março, no JM, Gil Canha era, nas palavras do próprio, um “bicho político”; hoje, no DN, é um técnico e da sua equipa só farão parte técnicos;


- A 3 de Março, Alberto João Jardim e Miguel Albuquerque estavam para a Madeira como Salazar e Marcelo Caetano para o país; hoje, os dois podiam fazer parte do seu grupo de férias, a bordo de um qualquer cruzeiro;


- A 3 de Março, o poder de Alberto João Jardim era “autocrático” e “ditatorial”; hoje, era capaz de “rir um pouco” com Alberto João e o seu “sentido de humor”; 


- A 3 de Março, Albuquerque era a “evolução na continuidade” de Alberto João Jardim, era a “rapinagem agora de fraque e luva branca”; hoje, é alguém com quem passar férias, apesar dos “desentendimentos” pontuais;


- A 3 de Março, o “maior mentiroso” da Madeira era Michael Blandy e o DN estava “bem que pior que o JM do tempo de Jardim”; hoje, Gil Canha dá uma entrevista ao DN e acaba por ser capa contra Cafôfo numa entrevista em que diz que não as há;

- Hoje, na mesma entrevista, Gil Canha fala dos “laivos de corrupção” do tempo de Albuquerque e Rubina Leal, mas não resiste a um elogio à “trabalhadora incansável”, que merece o reconhecimento de toda a gente. Porque nesse tempo, aí sim, havia preocupação com o “alindamento da cidade” - e, já agora, das contas também.
Honra lhe seja feita, num ponto Gil Canha mantém a coerência: na demonstração da motivação que o move, que não é, como diz e bem, o benefício da cidade, mas a destruição de Paulo Cafôfo. Como dizia a 3 de Março, o que importa é “fazer tudo para o Sr. Cafôfo não vencer a Câmara”.
Nessa sua batalha justiceira, Gil Canha acaba, como todos os populistas, apanhado na sua própria rede de demagogia: critica o populisno, mas utiliza como arma a mais populista de todas elas - a acusação de que todos são corruptos, menos o próprio; coloca-se num patamar acima de todos os outros, nos planos político, técnico, intelectual e moral, e acaba fuzilado pelo próprio discurso; acusa os outros de mudarem de posição, mas a sua não resiste a uma avaliação com 3 meses de distância; e, ironia do destino, acaba a entrevista de hoje a elogiar três das personagens principais de um regime que há 3 meses era “autocrático” e “ditatorial”, em nome de um partido monárquico, pelo qual se candidata num regime republicano e num sistema democrático.
Gil Canha ainda pode enganar alguns, mas como dizia o seu saudoso Alberto João Jardim, à primeira qualquer um pode cair, mas à segunda cai quem quer. Hoje, é bom saber que aquilo que nos separa é bem maior e mais profundo do que o fruto da circunstância, porque Gil Canha demonstra ser apenas mais um dos que julgam que os madeirenses não têm memória, nem critério para separar o bem do mal.
O discurso de Gil Canha passou a integrar o lote dos que não merecem a importância que julga ter e o melhor é ficarmo-nos pelo debate que vale a pena - sobre porteiros: é que a 3 de Março Cafôfo tinha uma “voz” e um “timbre” fantásticos, mas hoje já nem para porteiro serve - e eu que não sou de intrigas, antes quero voz que me abençoe que justiceiro que nos desgrace.

Frase do dia!


quinta-feira, 8 de junho de 2017

O clã Prada tem-se numa conta que vai muito além das suas reais capacidades.


Não é por um dos seus ter andado (até terem descoberto as suas insuficiências) em uma coisa chamada KPMG e agora ser um dos meninos de mão do famoso hoteleiro e o seu irmão se achar um ''piadolas'' nos blogues e facebook, para dar uma de macho, que a coisa muda. Um revela muita prosápia mas uma enorme falta de jeito para a grande gestão. O outro muita vadiagem e pouca dedicação ao lugar de deputado da região em que se encontra investido.
O último julgou-se com conhecimentos para mandar uns ''bitaites'' sobre urbanismo e resolveu atacar um empresário que tem dado a sua contribuição para no combate ao desemprego nesta região. A ave de arribação que se senta na assembleia, acha-se com moral para criticar alguém que está a investir na sua terra (só para o projecto hoteleiro que já existia e que tinha recebido a aprovação pela Câmara então presidida pelo novo chefe, são cem milhões)
O curioso é assistir ao seu silêncio ensurdecedor face à decisão do mano administrador do hoteleiro de sucesso, que resolveu transformar um hotel de 170 quartos numa unidade de 300 quatros.
Turismo? 
Fiscalização?

Como?... se o do Turismo faz parte da casta e frequenta os mesmos ambientes ditos ''selectos''.
Todos têm ainda em comum uma certa recaída pelas direitas (Garajau, CDS na sua pior fase, nas cumplicidades com a esquerda da boa vida- caviar- e ainda nas maledicências de salão povoadas por ingleses por outros que gostavam de o ser mas não passam de serviçais e uns patetas que se serviram e ainda se servem do PSD ). 
Blog renovadinhos

O JM não é o Jornal da Madeira.



quarta-feira, 19 de abril de 2017

Não é necessário fazer-se um desenho, mas pode-se fazer um exercício simples.


COMUNISMO NUNCA MAIS!!!





Onde está a ligação ferry de que tanto falou Sr Albuquerque ??


FALTA DE MEDICAMENTOS NO HOSPITAL DO FUNCHAL!


O retrato da pobreza na Madeira

http://videos.sapo.pt/WwwCkpjqL99CY6t0mtth

Madeira tem agora a maior taxa de desemprego do país!


O Tecnopolo acolheu a festa dos herdeiros do regime podre jardinista.


domingo, 9 de abril de 2017

O homem de quem se fala.

Fonte: DN

Outra vez um "jotinha" Presidente da AAUMa.


O UMa Cierl realiza, no próximo dia 18 de abril, uma aula aberta subordinada ao tema “Two Faces of America and Tragic Encounters: the Future of International Education, Academic Freedom, and Public Diplomacy”.

A aula terá início pelas 16h, no Auditório da Reitoria, e será lecionada pelo Prof. Doutor Philip Hosay, da New York University (NYU), em língua inglesa.
O orador convidado vai abordar as recentes medidas tomadas pela Administração Trump, relativas à imigração e vistos, financiamento para o ensino superior e diplomacia pública, e como estas podem afetar os intercâmbios internacionais de âmbito educacional e cultural.
Trata-se, portanto, de uma oportunidade imperdível para todos os interessados na temática poderem ouvir e beneficiar da partilha da imensa experiência e saber do Prof. Doutor Philip Hosay.
A participação na aula aberta é livre, mediante inscrição até 17 de abril, através do email mpocinho@uma.pt ou para o número de telemóvel 966511792. Serão emitidos certificados de participação
 — em Colégio dos Jesuítas do Funchal.

Nós Apoiamos Filipe Menezes de Oliveira no Porto Santo!


Rui Barreto e os candidatos do CDS não conhecem o Funchal…

Nem sabemos bem se esta nota se enquadra na nossa secção irónica Estepilha…! Talvez se enquadre melhor na secção de caricatura ‘Afinal o Burro sou eu”… O candidato do CDS à Câmara do Funchal e à Junta de Freguesia de São Pedro na passada terça-feira visitou o Bairro do Hospital, na companhia de outros cabeças de lista a juntas de freguesia do concelho.
Rui Barreto falou na necessidade de a CMF pôr em em marcha um verdadeiro plano de requalificação dos bairros sociais da autarquia, afirmou que em quatro anos o actual executivo camarário não realizou as obras necessárias (e apontou para a degradação do bairro visitado), e afirmou que só se ouve falar no lançamento de “primeiras pedras”.

Mas, já que estamos a falar de “primeiras pedras, o Estepilha aconselha ao candidato à edilidade a ler a Bíblia, nomeadamente João 8:7: “E, como insistissem, perguntando-lhe, endireitou-se, e disse-lhes: Aquele que de entre vós que está sem pecado, que atire a primeira pedra”.
Apelamos à não crucifixão dos inocentes. O Bairro do Hospital não é da responsabilidade da Câmara, mas sim do Governo Regional…  Se há pedras para atirar, será melhor que Rui Barreto o faça noutra direcção…
Parece o 31 do Max: a campanha ainda não começou e o sargento baralhou. O Estepilha recomenda uma recruta tipo “magala”, do género ‘toca a marchar, andar a fartar, se és militar, galopa; anda para a frente e mostra para a gente que sabes andar na tropa’…

FONTE: NF